domingo, 20 de agosto de 2017

Prosápia na vilania de virar o bico ao prego


De facto, assim fazemos, na farsa de atropelar a verdade, interpretando os casos segundo as conveniências, o terrorismo que agora se instalou no mundo sendo motivo para se acusar, quem o receia ou o aponta, de xenofobia, e de arvorar estranhas atoardas de falsa coragem provocatória do “não temos medo” ou do “Je suis Charlie”, manipulado pelos empresários de uma esquerda unida na abertura de braços sensíveis e amorosos a todas as anomalias, a pretexto de uma orientação “democrática” semeadora de amor canalizado para uma só banda - a das fraquezas ou dos desvios, (que justificam igualmente os nossos incendiários florestais) -  porque o ódio a tudo o que signifique fortaleza – de sensatez, de trabalho, de sucesso – está igualmente contido nesse contínuo mascarar de intenções e de falsos afectos.
Alberto Gonçalves, é, como sempre, directo e lucidamente frontal e pessimista, caso do artigo seguinte, de que repito o parágrafo final, certeiro e definitivo: Os gritos de “racismo” dirigidos ao líder do PSD não se distinguem das afirmações de valentia e dos apelos à fraternidade universal exibidos após cada atentado. Trata-se, na melhor das hipóteses, da cedência infantil a clichés. Na pior, é má-fé, e o som de uma civilização a entregar-se, deliberada e jovialmente, ao próprio fim. Haverá um humorista a sério para brincar com isto?.
O excelente artigo de Helena Matos sobre uma sociedade a embrutecer, deixando-se manipular – pelo menos publicamente – pelos desvarios de não assumpção do medo – justifica em absoluto o negativismo triste no humor de A.G.

O humor nunca é tão negro quanto o futuro
OBSERVADOR, 19/8/2017
Ninguém se incomoda com insultos a europeus ou a cristãos. Porém, dia após dia, surge um “escândalo” alusivo ao que X disse da maravilhosa “cultura” cigana, ou Y disse da “comunidade LGBTQRONVS§#™‰*$”.
Um alegado humorista, que sinceramente desconheço, escreveu algures uma graçola sobre a “xenofobia” de Pedro Passos Coelho e a doença da mulher dele. Num ápice, inúmeras pessoas, muitas das quais tenho por decentes, lançaram-se para as inevitáveis “redes sociais” a insultar o alegado humorista, a providenciar-lhe publicidade gratuita e, em certos casos, a tentar, sem dispor dos meios, reproduzir os métodos usados pela oligarquia para silenciar dissidências.
É verdade que, à semelhança de diversos colegas, o alegado humorista é pelos vistos avençado da oligarquia. É verdade, segundo li, que é pago pelos contribuintes por umas rábulas de revista na rádio pública. E é verdade que bater em Pedro Passos Coelho, inclusive pelas razões mais absurdas, talvez lhe confira créditos junto dos respectivos chefes. Mas também é verdade que criaditos do poder não faltam, que os contribuintes pagam à força o salário a multidões de matarruanos (mesmo descontando os familiares do prof. dr. Carlos César) e que a voracidade com que idiotas sortidos decretam a irrelevância de Pedro Passos Coelho é proporcional ao pavor que, com ou sem motivo, este teimoso indivíduo lhes inspira.
O que importa, em todo o insignificantíssimo episódio, é o facto de o alegado humorista ter o direito de se aliviar das atoardas de que gosta e a chatice de ouvir de volta atoardas de que não gosta – pretender o contrário é próprio da esquerda que o moço serve. A liberdade de expressão – cansa repetir – inclui a liberdade de se exprimirem coisas que nos são repulsivas, maçada que vale para piadas de oncologia, referências ao dialecto do dr. Costa ou manifestações contra “minorias”. Os recentes acontecimentos em Charlottesville, Virgínia, são um exemplo adequado.
Por grotesco que pareça, os “supremacistas brancos” deviam ser livres de berrar as alucinações que os embalam sem se verem importunados, ou publicitados, por “activistas” diversos, para cúmulo possuídos por aversões similares: ao capitalismo, às multinacionais, aos judeus, ao “sistema”, ao que calha. Calhou de discordarem acerca de alguns dos “grupos” a combater, e é pena. Unidos, ambos os gangues conciliariam a vontade vã de uns em expulsar os seus ódios de estimação do território americano com o esforço consumado dos outros em expulsar os seus ódios de estimação das universidades americanas. E prosperariam enfim.
Em abono do rigor, o totalitarismo já prospera, obrigadinho. Nos EUA e aqui, criaturas radicalmente desprovidas de utilidade teimam em vigiar a linguagem e decretar os limites do “admissível”. E, cá como lá, a sanha persecutória é menos consequente nos supremacistas brancos do que nos vermelhos. Ninguém se incomoda com insultos a europeus ou a cristãos. Porém, dia após dia, surge um “escândalo” alusivo ao que X disse da maravilhosa “cultura” cigana, ou ao que Y disse da “comunidade LGBTQRONVS§#™‰*$”, ou ao que Z pensou em dizer do prodigioso governo que nos ilumina. É estranho um mundo onde os beatos do Bloco ou a namorada do ex-presidiário Sócrates se sentem habilitados a julgar – e se esgadanham para castigar – as opiniões alheias. Ou, dado que a deturpação é abundante, a amálgama de mentiras em que transformam as opiniões alheias.
Para os distraídos, estamos a falar de gente com credibilidade idêntica à de um astrólogo (com ofensa aos astrólogos). São anti-fascistas que professam o comunismo ou participam com zelo num regime influenciado por comunistas. São feministas que se borrifam para a humilhação das mulheres ciganas. São democratas que aplaudem o regime venezuelano. São lobistas “gay” que se apaixonam pela Palestina. São ecuménicos que abominam as religiões ocidentais. São opositores do racismo que compreendem os racistas do islão. São indignados com a xenofobia que insultam os espanhóis e os alemães e os ingleses que nos visitam e sustentam a nossa reles economia. Ainda assim, procurar calar essa gente seria imitar-lhe os princípios. O que interessa é recusar que, à conta da intimidação, essa gente nos cale a nós.
Pedro Passos Coelho foi criticado por criticar uma lei perigosa, a que permite a permanência em Portugal a estrangeiros cadastrados ou, cito a expressão que suscitou o pânico, a “qualquer um”. Agora, em Barcelona, confirmou-se pela enésima vez aquilo de que “qualquer um” é capaz. Os gritos de “racismo” dirigidos ao líder do PSD não se distinguem das afirmações de valentia e dos apelos à fraternidade universal exibidos após cada atentado. Trata-se, na melhor das hipóteses, da cedência infantil a clichés. Na pior, é má-fé, e o som de uma civilização a entregar-se, deliberada e jovialmente, ao próprio fim. Haverá um humorista a sério para brincar com isto?

Do lado de dentro da janela
OBSERVADOR, 20/8/17
Tudo resultou em mais gritos “Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos
Fechadas em casa. Olhando o inimigo que inflexível avança.
O que viram pela janela por onde espreitavam? A morte – respondeu uma delas a uma jornalista. A tranquilidade com que proferiu aquele “a morte” era desconcertante. Quase grotesco.
As mulheres que fechadas em casa viram passar a morte estavam numa aldeia de Mação. Mas podiam estar fechadas num restaurante em Barcelona, num mercado de flores na Finlândia, numa rua dos EUA…
Ver passar a morte, cruzarmo-nos com ela numa rua cheia de turistas, numa manifestação ou numa estrada rodeada de árvores tornou-se o encontro que tememos aconteça nas nossas vidas ou na dos nossos filhos. Porque garantidamente sabemos que ela, a morte, vai voltar a passar. Apenas esperamos que não se cruze connosco. Com os nossos. Com os que conhecemos. Com os que apenas vimos…  Esperamos sobretudo estar longe ou que, acabando a seu lado, ela não nos entreveja do lado de dentro da janela. Não nos ouça o bater descontrolado do coração. Sim, porque o medo existe. Cheira-se. Sente-se. Mas não se pode falar dele.
Oficialmente nós não temos medo. Felipe VI garante que a Espanha não tem medo. Os independentistas catalães que apostaram na migração proveniente de Marrocos em detrimento da dos países da América Latina, porque acreditam ser os magrebinos mais sensíveis à causa da secessão, também declaram que não têm medo. E claro espera-se que também digam que não há razões para ter medo aqueles que fugiram à frente da carrinha, os que por trás janelas os viram passar e os que viviam no bairro onde os supostos refugiados/migrantes de ocupação profissional indefinida acumulavam bilhas de gás numa casa que tinham ocupado. Contudo quem recorda a forma como o estado espanhol reagia de imediato aos atentados da ETA ou a qualquer acontecimento que pudesse denunciar a presença daquele grupo terrorista, como uma explosão acidental similar à que teve lugar na casa de Alcanar, não deixa de sentir medo perante a actual bonomia das autoridades espanholas face ao quotidiano destes alegados migrantes. E medo maior se experimenta quando se constata que nas horas que seguiram à explosão da casa de Alcanar não se reforçou a sério a segurança na Catalunha. Mas é no “Não temos medo” que por agora estamos.
Na verdade, não é só é profundamente falso dizer que não temos medo como subjacente a essa aparente fanfarronice está a convicção de que a ameaça não é relevante. Ou pelo menos suficientemente grave para se poder assumir publicamente que se sente medo.
Afinal é no assumir do medo que está a grande clivagem do nosso tempo. Um mundo dividido entre uma casta privilegiada que legisla sobre tudo e que controla tudo desde o pensamento à linguagem mas que nos momentos cruciais falha rotundamente na sua obrigação de garantir a segurança dos cidadãos.
Nesse mundo da casta é proibido falar de medo. A criminalidade dita pequena por quem não a sofre directamente é um assunto para demagogos. Os paióis são roubados mas todos os procedimentos, dizem, foram cumpridos. Os atentados acontecem mas ficamos a saber que pelo menos um dos protagonistas já estava sinalizado pelas nossas polícias. O fogo chama-se incidente pirotécnico e no limite tudo resulta das ignições. Em conclusão, não há razões para ter medo.
Este seria um mundo assepticamente perfeito de procedimentos e sinalizações não fosse a realidade. Daí a importância do negar a realidade e do diabolizar qualquer tentativa de a mostrar: falar da sustentabilidade da segurança social implica ser rotulado como estando contra os pensionistas. Indagar da capacidade da Europa para receber todos os imigrantes que a procuram vale de imediato ser acusado de xenofobia. Referir o crescimento da dívida leva à acusação de insensibilidade social. Questionar o que acontece nas escolas para que isto seja possível é de imediato transformado numa discussão sobre o populismo…
Esta transformação da testemunha num réu funciona: ninguém gosta de ser acusado para mais de um aleijão moral que se cola ao corpo.
Mas o terrorismo islâmico na sua imensa e óbvia brutalidade está a colocar sob pressão esta transposição automática da discussão dos problemas para o julgamento moral de quem os denuncia: no 11 de Setembro as vítimas eram americanas e como tal responsáveis por várias iniquidades mundiais. Já as primeiras vítimas europeias do terrorismo islâmico como aconteceu com o realizador Theo Van Gogh explicavam-se pelo seu “perfil controverso” ou por integrarem essa falácia que dá pelo nome de “anti-Islão”. (O conceito do “anti-Islão” reproduz passo a passo o antigo esquema da diabolização do anti-comunista naturalmente primário: admitia-se que algumas pessoas fossem contra o comunismo mas jamais se encontrou algum anti-comunista que não o fosse por más razões. Uns eram de extrema-direita, outros reaccionários, outros corruptos… e todos eles invariavelmente primários.)
À medida que cresce o número de vítimas aumenta a percepção de que qualquer um pode ser esfaqueado ou decapitado. E aumenta o medo que, dizem, não temos. Ciclicamente um novo slogan entra em cena poupando-nos ao ridículo do falhanço do anterior: antes do “Não temos medo” era o “Je suis…” Um mantra que por sua vez sucedeu ao “Terrorismo, nunca mais”, que por sua vez sucedeu ao “Imagine”…
Esse nosso versejar teve o efeito contrários às nossas intenções: tudo resultou em mais gritos de “Alá é grande”, mais facadas, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que afinal tinham quem os apoiasse e escondesse, mais desequilibrados mentais que estavam de perfeito juízo…
(A estupefacção pelo falhanço da nossa retórica apesar de tudo não deve ser tão grande quanto a perplexidade dos dinamarqueses ao constatarem que nas suas mesquitas se ensina o ódio. Isto apesar de a Dinamarca ter acolhido milhares de refugiados muçulmanos particularmente jovens rapazes provenientes da Síria e de ter lançado um programa destinado aos que abraçaram o terrorismo significativamente intitulado “Abrace um terrorista”. Nos vídeos promocionais do dito “Hug a Jihadi”, cujo visionamento aconselho vivamente, ensinam-nos que os jovens se tornam terroristas porque ao emigrarem dos seus países de origem para a Europa, no caso para a Dinamarca, se sentem apanhados entre dois mundos. Espantosamente nem os protagonistas do recurso à bomba porque se sentem apanhados entre duas culturas nem as autoridades da Dinamarca se interrogaram um segundo sequer sobre o assombroso facto de jamais chineses, portugueses, vietnamitas, moçambicanos, espanhóis, brasileiros… que tanto têm migrado para países tão diferentes dos seus, terem alguma vez optado por mitigar a sua desorientação cultural esfanicando os cidadãos dos seus países de acolhimento ou doutros quaisquer. Pelo contrário aceitam trabalhos que mais ninguém faz, poupam para enviar dinheiro para as suas famílias e para o melhoramento das suas terras. Bombas é que não há notícia que tenham pago ou custeado.)
O porquê desta anomia face ao terrorismo islâmico é conhecida: a esquerda trocou os operários pelos muçulmanos e esquecidos nas periferias urbanas os operários acabaram atrás da janela a ver o que oficialmente não existe. Em países como a França vêem todos os dias o fundamentalista que, sem pegar em facas, causa conflitos para que a sua mulher use burka na rua, para que as suas filhas não sejam atendidas por um médico, para que no refeitório da escola não se cozinhe carne de porco, para que os judeus deixem de passar por aquela rua, para que os comerciantes não vendam álcool, para que a festa de Natal não se realize…
Agora que os amanhãs já não cantam a Internacional a caminho de uma sociedade sem classes, a fúria da rua árabe e toda aquela litania da colonização, as cruzadas e tudo o que mais lembrar, configuram-se como o anúncio do admirável mundo novo que mais uma vez se anuncia: uma sociedade em que as comunidades substituíram os cidadãos; as minorias impõem as suas particulares circunstâncias como regras e os revolucionários se tornaram reguladores dos ressentimentos.


sábado, 19 de agosto de 2017

Registe-se


Diferentes nos temas e nos espaços de referência, já também afastados de duas semanas nas suas escritas, os dois artigos de opinião que seguem mantêm a sua visibilidade, na pujança da força humana que faz que os casos referidos, tristemente caricatos, sejam um dia registados na História – quem sabe? – como feitos de heroísmo e glória, ou de puras banalidades que, todavia, ajudam a definir as idiossincrasias dos povos e das gentes, na efervescência contínua dos arranjinhos da ambição e do poder.

Inimigos da democracia, lá e cá
Nicolás Maduro, o mais recente membro do clube de ditadores, é apoiado por um partido português.

Diogo Queiroz de Andrade    -    EDITORIAL
Público, 2 de agosto de 2017

A Venezuela deixou de ser uma democracia. Tem presos políticos, tem um governo com um líder autocrático, tem os tribunais manietados, a tropa está na rua para impedir a liberdade e a nação está a caminho de possuir uma Constituição ilegítima.
Dois líderes da oposição voltaram a ser detidos durante a noite, sem indicação do local para onde iam, nem identificação dos agentes envolvidos. Leopoldo López e Antonio Ledezma estão condenados em processos que são políticos — que devem agora estender-se a outras figuras que se opõem ao Governo. Trezentos e setenta mil soldados estão mobilizados desde sábado para garantir que o poder se mantém do lado do Governo, de preferência com menos manifestações activas e com mais liberdades suprimidas.
O líder Nicolás Maduro continua a fuga para a frente, porque tudo o que está a acontecer visa apenas e só manter o poder. Não importa quantos venezuelanos morram de fome ou dos tiros antimanifestantes. A única coisa que importa a Maduro é manter a liderança — o poder e o seu programa de rádio em que continua a passar salsa para entreter as massas que ainda o escutam. Este é o mesmo homem que acusou potências estrangeiras de infectar Chávez com cancro, que governa por decreto, que destruiu o tecido produtivo em nome de uma política corrupta para beneficiar os seus aliados e tornar o território uma plataforma privilegiada para o tráfico de droga.
As instituições internacionais não se deixam enganar: os Estados Unidos já condenaram o regime e apreenderam os bens dos líderes; o Parlamento Europeu pede que a União Europeia faça exactamente o mesmo; a Amnistia Internacional acusa o Governo de tentar desesperadamente silenciar todas as formas de crítica e de estar a arrastar o país para a ruptura; e o responsável das Nações Unidas pelos direitos humanos assume estar profundamente preocupado com a situação dos presos políticos.
É incompreensível que se continue a defender este regime, como o faz o PCP. Não é uma novidade histórica, muito menos vindo de quem se mantém admirador da Coreia do Norte. Mas é grave que assim seja e é prova do atraso que vive quem insistem em olhar para o mundo com os olhos cegos pela ideologia. A liderança comunista portuguesa assume-se como cúmplice dos polícias que matam manifestantes e das políticas que matam os venezuelanos à fome. No meio há portugueses.

Uma história que nos empobreceu e nos envergonha
Público, 16 de agosto de 2017
Manuel Carvalho

A crónica da morte anunciada da PT é muito mais do que o relato de uma falência ou a história de uma companhia que correu mal. É principalmente uma crónica de costumes. Uma novela, onde a patifaria, a falta de escrúpulos e o perfume da corrupção atravessa diferentes elites do poder económico e do poder político para se abater sobre um país afundado numa grave crise financeira e moral. Tanto como os danos resultantes da destruição de uma empresa inovadora que poderia servir de baluarte à modernização e à internacionalização da economia nacional, a história sórdida da agonia da PT e as movimentações crápulas da maioria dos seus principais dirigentes deixa em Portugal e nos portugueses uma sensação de vulnerabilidade que só o sistema judicial poderá um dia resgatar.
Há muito se sabia que o capitalismo português não passava de um libreto de uma ópera cómica. Há muito que se suspeitava que as teias relacionais entre as elites financeiras da capital e o poder político tinham criado um sistema que se defendia e se perpetuava em relações conspícuas. Durante a tenebrosa era de José Sócrates, essas redes viveram no ambiente ideal para prosperar e perder qualquer laivo de vergonha. O alto patrocínio de São Bento foi para Ricardo Salgado e os seus sequazes mais do que uma autorização: foi um incentivo para que a PT fosse transformada num cadáver onde os abutres pudessem saciar as suas necessidades financeiras.
Tudo aconteceu sem que os reguladores vissem, sem que altos quadros da PT denunciassem, sem que a imprensa se empenhasse em perceber, sem que as instâncias judiciais fossem capazes de antecipar o que estava em jogo. O falhanço da PT, sendo consequência de uma cultura irresponsável, é também o falhanço do país que fomos nesses anos perdidos da primeira década do século.
Perdida a glória da PT, encaixada a destruição de valor, resta exigir que a Justiça faça o seu caminho. Resta também desenvolver mecanismos de vigilância que evitem a repetição de uma vergonha assim. Se houve um mérito no período de ajustamento foi o de trazer para a luz do dia a venalidade e velhacaria que se cultivavam entre os donos disto tudo. Hoje já não há empresas como a PT para extorquir. Esperemos que a denúncia de investigações jornalísticas como a da Cristina Ferreira ou a punição judicial sejam capazes de travar por muitos anos a germinação de redes como as que arrasaram a PT




sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Cereja em cima do bolo: os papás participando no desafio escolar

 Santana Castilho diz tudo o que se passou, e que parece deixar o país indiferente, com as barbaridades cometidas na educação escolar, quer em termos de avaliação, quer em termos de estratégias de ensino, quer de exigências que o não são mais, desde que se permite aquilo que dantes se chamava de copianço e agora de consulta dos manuais, aquando da realização dos testes, o que, aliás, nem se deve estranhar, dada a brutalidade de matérias e exercícios de que se compõe cada disciplina, distribuída por três ou quatro manuais – (em absurdos paralelismos disciplinares temáticos, como bem refere Santana Castilho) -  como negócio para fortalecer a economia livreira à custa das famílias e do esqueleto dos alunos, sobrecarregadas as mochilas materialmente, sem a correspondente sobrecarga das mentes, dispersas, para mais, nos vícios de uma vacuidade de saberes que as tecnologias facultam.
A última medida que me chocou, foi a da proposta de participação das famílias no âmbito escolar, que parece não ser assunto de interesse ao nível da comunicação social, ou mesmo do parlamento, pois se não discute, como tabu de que se acorda quando já estiver fixado nos hábitos de um país a resvalar para a imbecilidade e a indigência em tantos níveis. É o salve-se quem puder em todo o seu alastramento, que os desmandos vocabulares de vários responsáveis políticos, tais as “competividades” e os “acórdos” da fixação ministerial, são retrato, definitivamente assente na mesquinhez da nossa marginalidade e na inutilidade de qualquer apelo ao bom senso.
O artigo de Santana Castilho deveria ser bem meditado, mas redundará, naturalmente, na inanidade do nosso desinteresse, tal o Acordo Ortográfico dos nossos fogachos protestantes.

Ponderação versus aventureirismo
Na Educação faltava a costumada caldeirada tecnológica. Aí a temos sob o título “Estratégia TIC 2020”.
 Público, 9 de agosto de 2017
Santana Castilho
As intervenções do PS em Educação permitem identificar um padrão de tendências notórias: para o facilitismo “eduquês”, para o experimentalismo pedagógico irresponsável e para falíveis modernismos tecnológicos. Se acrescentarmos o ódio aos professores do tempo de Maria de Lurdes Rodrigues, fica feita a ecografia às partes moles dos governos do PS dos últimos tempos.
O vazio de ideias do ministro Tiago Rodrigues foi preenchido pela torrente de iniciativas desastradas do secretário de Estado João Costa: o espectáculo degradante em matéria de avaliação, com três modelos vigentes num mesmo ano, com a recuperação de provas outrora abandonadas por inúteis, com o ministro a desmentir o primeiro-ministro e vice-versa e os deputados do PS a votarem contra o programa do seu próprio Governo; um perfil de alunos para o século XXI, repositório de conceitos banais copiados de publicações não citadas, que endeusou as “aprendizagens essenciais”, ao mesmo tempo que o ministro decretou o fim dos “saberes essenciais”; um pomposo Plano Nacional de Promoção do Sucesso Escolar, rapidamente afirmado como desilusão maior que a ilusão que o promoveu, e uma miserável flexibilidade curricular, instrumento de desconstrução curricular e imposição de transdisciplinaridade boba.
Faltava a costumada caldeirada tecnológica. Aí a temos sob o título “Estratégia TIC 2020”, transportando-me, irremediavelmente porque tenho memória, ao falido Plano Tecnológico da Educação, que, dizia Sócrates em 2007, iria “colocar Portugal entre os cinco países europeus mais avançados em matéria de modernização tecnológica”. Melhor fora que a prosa de cabresto dos discípulos que serviram a criatura e agora nos trazem mais do mesmo, com a burocracia totalitária das plataformas digitais, tivesse, ao menos, o decoro de se libertar dos esqueletos dos famigerados Magalhães. Não para desentupir as sarjetas a que foram parar. Mas para exorcizar os negócios que proporcionaram. Aqui, na Venezuela e em Timor.
A deriva palavrosa que embrulha a coisa tem neologismos curiosos: “usabilidade” e “interoperabilidade”, por exemplo. E plataformas excitantes: uma “para gestão das diferentes componentes de negócio do recrutamento e gestão de carreiras na área da educação” e outra de “big data [sic] para tratamento de informação financeira”. Negócio de recrutamento? Big data?
Enquanto isto, já temos lei que impõe a adopção de manuais digitais para uso em tablets e João Costa disse que vai avaliar as condições que as escolas têm para aplicar a medida. Falta avaliar os riscos do aventureirismo sem ponderação. É inegável que os tablets permitem armazenar muitos livros, protegendo do peso das mochilas as colunas vertebrais, sem abdominais nem dorsais que as sustentem, de crianças obesas, em parte porque se tornaram escravas sedentárias da “usabilidade” e da “interoperabilidade” de tablets, smartphones e demais gadgets do século XXI. Mas já há reflexão que importa e desaconselha a substituição radical do papel pelo digital.
Nos EUA fizeram contas e concluíram que o uso de tablets multiplicou por cinco o custo dos clássicos manuais. Porque são caros, partem-se facilmente e não se arranjam facilmente. Ficam obsoletos rapidamente, como convém ao negócio. E há que pagar royalties anuais a editores, custos de infra-estruturas wi-fi e treino de professores para os usar. E quanto ao ambiente? Desenganem-se os ecologistas porque, segundo o The New York Times de 4 de Abril de 2010 (How green is my iPad?), a produção de tablets é bastante mais destrutiva e perigosa do que a produção de livros em papel. Mas, acima de tudo, há evidências científicas de que ler em papel facilita a compreensão e a memorização por comparação com a leitura digital e que a perda da motricidade fina que a aprendizagem da escrita com papel e lápis permite é danosa para o desenvolvimento das crianças. Finalmente, há a certeza de que o preço dos tablets e a ausência de wi-fi na casa das crianças pobres as deixará ainda mais para trás.

Professor do ensino superior